Glossário Logístico

B

C

D

E

EAN - EUROPEAN ARTICLE NUMBERING - ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE E NUMERAÇÃO DE ARTIGOS


União dos representantes de 12 países europeus (Inicialmente: European Article Numbering), sistema de codificação que foi projetada para ser compatível com o sistema UPC em uso nos Estados Unidos.




EDI (ELECTRONIC DATA INTERCHANGE)


Troca contínua de informações, através da rede de informação, entre fornecedores e clientes para obter vantagens: eliminação de pedidos escritos, transação em tempo real, faturamento automático, eliminação de documentos e sistema de planejamento/programação integrado e comum.




EDI SERVER


Computador, software, caixas postais, e facilidades de transações que constitui o centro geral do EDI




ELQ


Economic Logistic Quantity ou Quantidade Logística Econômica. É a quantidade que minimiza o custo logístico. Lote econômico de transporte.




EMBALAGEM


Envoltório apropriado, aplicado diretamente ao produto, para a sua proteção e preservação.




EMBALAGEM DE APRESENTAÇÃO


Embalagem que envolve a embalagem de contenção, e com a qual o produto se apresenta ao usuário, no ponto de venda.




EMBALAGEM DE COMERCIALIZAÇÃO


Embalagem que contém um múltiplo da embalagem de comercialização: constitui a unidade para a extração de pedido e, por sua vez, é um submúltiplo da embalagem de movimentação.




EMBALAGEM DE CONTENÇÃO


Embalagem em contato direto com o produto e, portanto, tendo que haver compatibilidade entre os materiais do produto e da embalagem.




EMBALAGEM DE MATERIAL


Dados relativos à apresentação de um item de suprimento, constituídos do tipo do recipiente (ou forma de apresentação) e conteúdo (quantidade e unidade de medida) Exemplo: Lata com 1.000 cm ³.




EMBALAGEM DE MOVIMENTAÇÃO


Múltiplo da embalagem de comercialização, para ser movimentada racionalmente, por equipamentos mecânicos.




EMBALAGEM PRIMÁRIA


Embalagem que envolve o produto, como uma lata, um vidro, um plástico. Pode também ser considerada a unidade de venda no varejo.




EMBALAGEM SECUNDÁRIA


Embalagem que protege a embalagem primária. É, em geral, a unidade comercializada pelo setor atacadista. Exemplo: bandeja de papelão para latas de cerveja.




EMBALAGEM TERCIÁRIA


Corresponde às caixas de madeira, papelão, plástico etc.




EMBALAGEM QUATERNÁRIA


Envolve o contenedor, facilitando a movimentação e a estocagem. Corresponde, por exemplo, aos paletes.




EMBALAGEM DE QUINTO NÍVEL


É a unidade conteinerizada ou embalagens especiais para envio a longa distância.




EMBALAMENTO


Atividade para colocar os produtos dentro das várias embalagens, colocá-las dentro da embalagem de comercialização e a paletização destas embalagens.




EMBARCAÇÃO


Denominação genérica para veículo marítimo, cabotagem, fluvial ou lacustre.




EMBARCADOR


Parte que embarca a carga, conforme mencionado no conhecimento de transporte.




EMBARGO


Pedido expedido por um transportador ou entidade reguladora para restringir o frete.




EMPENHO


Tipos e quantidades de materiais que foram dedicadas a uma determinada ordem de produção, ou a um determinado cliente, mas que não foram ainda retirados dos almoxarifados ou dos armazéns de produtos acabados.




EMPILHADEIRA ou FORK LIFT TRUCK


Equipamento utilizado com a finalidade de empilhar e mover cargas em diversos ambientes.




EMPILHADEIRA DE MASTRO RETRÁTIL/PANTOGRÁFICA


Uma forma de empilhadeira que avança a carga, permitindo que os garfos alcancem ou posicionem um palete ou unitizador de produtos.




EMPILHADEIRAS ELÉTRICAS COM PATOLAS


Proporciona a estabilidade de carga e veículo através do uso de “patas” externas ao invés de peso contrabalançado.




EMPILHADEIRAS ELÉTRICAS COM PATOLAS PANTOGRÁFICAS


Empilhadeiras desenvolvidas a partir das empilhadeiras de patolas convencionais diminuindo os garfos na empilhadeira e proporcionando uma capacidade de alcance com um mecanismo tesoura (pantógrafo).




EMPILHADEIRAS FRONTAIS A CONTRAPESO


Empregam um contrabalanço na parte de trás da máquina para estabilizar cargas sendo transportadas e elevadas num mastro na frente da empilhadeira.




EMPILHADEIRAS LATERAIS


Carregam e descarregam de um lado assim eliminando a necessidade de virar a máquina dentro do corredor para acessar posições de estocagem. Existem 02 tipos: ou todo o mastro se move em um conjunto de trilhos transversalmente ao veículo ou os garfos projetam-se de um mastro fixo em um pantógrafo.




EMPILHADEIRA SELECIONADORA DE PEDIDOS


Veículo industrial, equipado com uma plataforma de carga e uma plataforma de controle do operador, móvel como um todo no mastro.




EMPILHADEIRAS TRI-LATERAIS


Assim como a empilhadeira lateral, a empilhadeira trilateral não requer que o veículo faça uma volta dentro do corredor para estocar ou retirar um palete. Ao invés disso, a carga é levantada por garfos que giram no mastro, ou um mastro que gira no veículo, ou um mecanismo de garfo.




EMPILHADEIRAS TRI-LATERAIS E SELECIONADORAS DE PEDIDOS HÍBRIDAS


São similares às empilhadeiras trilaterais, exceto pelo fato de que a cabine do operador é levantada juntamente com a carga




ENDEREÇO ALEATÓRIO


A estrutura modal é um fator de grande importância para a padronização de equipamentos de movimentação, e endereços para a armazenagem. Com a padronização dos endereços, caminha-se rumo ao endereçamento aleatório que aceita armazenar qualquer material acondicionado em UNIMOVs; este gerido com um sistema de informações bem planejado (e adotado de características de rastreabilidade), gerará certamente, grande produtividade.




ENGRADADO -


Caixa ou caixote, com os lados em forma de grade, feito de ripas de madeira.




ENTREGA


Transferência da custódia e cuidado de contenedor cheio ou vazio do transportador para o consignatário ou seu representante legal.




ENTREGA A TEMPO (ON TIME DELIVERY)


Entrega realizada 100 % das vezes no prazo. Entregas adiantadas ou atrasadas não são aceitas ENTREGA DIRETA – Transporte de produtos diretamente do fornecedor ao comprador.




ENTREGA DIRETA À LOJA


Método de entrega de mercadoria diretamente ao varejista através de uma saída nas instalações do armazém que se destina ao varejo.




ENTREGA PARCIAL


Entrega de uma parte da quantidade total de produtos que devem ser entregues a um cliente em uma data específica de entrega.




ERP


Enterprise Resource Planning ou Planejamento dos Recursos do Negócio.




ESPAÇO BRUTO DE ARMAZÉM


É o comprimento multiplicado pela largura de uma construção, medido pelo lado externo das paredes, expresso em m².




ESPAÇO CÚBICO PERMITIDO


O espaço permitido por orientações, regulamentações e restrições de segurança com o equipamento disponível.




ESTABILIZAÇÃO DE CARGAS


No trabalho de análise de carga, considera-se os aspectos relacionados à existência de planos de clivagem das UNIMOVs, que exigirão o uso de dispositivos de estabilização de carga, para que os movimentos internamente à fábrica e externamente à empresa, sejam executados com segurança, evitando perdas e acidentes.




ESTIVADOR


Empregado das Docas que trabalha na carga e descarga dos navios.




ESTOCAGEM DE ACESSO CONTROLADO


Área dentro da fábrica ou do armazém que possui itens sujeitos a furtos, onde devem ser tomadas medidas de segurança como, por exemplo, divisórias ou outros tipos de enclausuradores.




ESTOCAGEM EM LOCAL ALEATÓRIO


Técnica de estocagem em que os materiais são colocados em qualquer espaço vazio quando chegam ao local de estocagem.




ESTOCAGEM EM LOCAL FIXO


Designação de um local relativamente permanente para estocagem de cada item em um armazém ou instalação com esta finalidade.




ESTOCAGEM POR ZONA


Mercadorias estocadas em um armazém, em grandes áreas, em dada localização.




ESTOQUES


São todos os bens materiais mantidos por uma organização para suprir demanda futura.




ESTOQUE CONSIGNADO


Estoques em posse de clientes, distribuidores, agentes etc., cuja propriedade continua sendo do fabricante por acordo entre eles.




ESTOQUE DE ANTECIPAÇÃO


Estoque formado para nivelar as flutuações previsíveis na demanda, entrega ou produção de um item específico.




ESTOQUE DE CONTINGÊNCIA


Estoque mantido para cobrir potenciais situações de falha extraordinária no sistema.




ESTOQUE DE PROTEÇÃO ou HEDGE INVENTORY


É feito quando excepcionalmente está previsto um acontecimento que pode colocar em risco o abastecimento normal de estoque e gerar uma quebra na produção e/ou vendas. Normalmente são greves, problemas de novas legislações, período de negociação de nova tabela de preços etc.




ESTOQUE DE SEGURANÇA ou SAFETY STOCK


Quantidade mantida em estoque para suprir nas ocasiões em que a demanda é maior do que a esperada e/ou quando a oferta para repor estoque ou de matéria-prima para fabricá-la é menor do que a esperada e/ou quando o tempo de ressuprimento é maior que o esperado e/ou quando houver erros de controle de estoque que levam o sistema de controle a indicar mais material do que a existência efetiva.




ESTOQUE EM TRÂNSITO


Refere-se ao tempo no qual as mercadorias permanecem nos veículos de transporte durante sua entrega.




ESTOQUE INATIVO


Refere-se a itens que estão obsoletos ou que não tiveram saída nos últimos tempos. Este tempo pode variar, conforme determinação do próprio administrador do estoque.




ESTOQUE MÁXIMO


Refere-se à quantidade determinada previamente para que ocorra o acionamento da parada de novos pedidos, por motivos de espaço ou financeiro.




ESTOQUE MÉDIO


Metade do lote médio de compra ou fabricação, adicionado ao estoque de segurança.




ESTOQUE MÍNIMO


Refere-se à quantidade determinada previamente para que ocorra o acionamento da solicitação do pedido de compra. Às vezes é confundido com "Estoque de Segurança". Também denominado "Ponto de Ressuprimento".




ESTOQUE PULMÃO


Refere-se à quantidade determinada previamente e de forma estratégica, que ainda não foi processada. Podem ser de matéria-prima ou de produtos semiacabados.




ESTOQUE REGULADOR


É normalmente utilizado em empresas com várias unidades/filiais, onde uma das unidades tem um estoque maior para suprir possíveis faltas em outras unidades.




ESTOQUE SAZONAL


Refere-se à quantidade determinada previamente para se antecipar a uma demanda maior que é prevista de ocorrer no futuro, fazendo com que a produção ou consumo não sejam prejudicados e tenham uma regularidade.




ESTRADO


Tabuleiro de madeira ou de outros materiais que serve de base para arrumação de mercadorias, para serem deslocadas ou armazenadas com recursos de equipamento de movimentação.




ESTRADO AÉREO


Estrado de alumínio medindo 230 cm X 270 cm, combinado com uma rede ou capa de material plástico para carga rápida de aviões.




ESTRADO CAIXA


Caixa montada em cima de um estrado, para conter mercadorias disformes ou frágeis.




ESTRUTURA DE ABASTECIMENTO


Posicionamento das organizações logísticas dentro da Cadeia de Abastecimento




ESTRUTURA DE PRODUTOS


Sequência de operações que os componentes obedecem, durante a sua manufatura em produto acabado.




ESTRUTURA EXPLÍCITA DA QUALIDADE


Características de qualidade que podem ser claramente expressas no projeto, e documentação técnica do produto.




ETIQUETA


Elemento portador das informações a serem contidas nos produtos ou nas embalagens. Elemento de identificação, afixado ao material por amarração. Uma etiqueta pode eventualmente ser portadora de um rotulo.